Português de Portugal (Portuguese)


Visões

Esta página foi visualizada por 15549 vezes

Uma Visão assustadora sobre o lugar do Inferno.

No dia 13 de Maio de 2007, fui surpreendido por uma visão de São Miguel Arcanjo, que naquele momento me mostrou esta visão. Não sei explicar detalhadamente como aconteceu, pois foi muito rápido, não consigo dizer até que ponto foi uma visão ou eu fui até lá, no entanto acredito que me desloquei até ao Inferno, dado me ter sentido em labaredas de fogo, e que vivi sendo tudo perfeitamente claro para mim.

Senti um calor que percorria todo o meu corpo, queimando-me como se eu estivesse a cair num vulcão abrasador, e à medida que eu sentia o meu corpo descendo e o calor aumentando de intensidade, da mesma forma o barulho aumentava. Os gritos que de lá saíam, não distinguia de onde estes vinham se do lado esquerdo ou direito; era tudo muito confuso neste momento, pois fechava os meus olhos para não ver nada. Pensei para mim mesmo:

- Será que morri e estou no Inferno?

Porém os meus pensamentos viravam-se para a presença que Nossa Senhora não me deixaria só, e que São Miguel Arcanjo estava comigo.

86221238446348sm-warrior.jpg

Ao abrir os olhos, vi um imenso portão de fogo que se abria diante de mim, havendo muitos ruídos... e vi os dizeres daquele portão aonde estava a seguinte frase:

«VÓS QUE ENTRAIS AQUI

DEIXAI LÁ FORA

TODAS AS ESPERANÇAS

PORQUE DAQUI JAMAIS SAIRÃO!»

De súbito, fiquei num lugar de absolutas trevas. A única forma de centelha que iluminavam aquele lugar eram tochas abomináveis e labaredas de fogo que ali jorravam, como que se duma grande caverna se tratasse. À medida que caminhava por muitos lugares, o medo tomava conta de minha alma, de tal forma que eram muitos os gritos e gemidos de dor; vi de repente uma bola de fogo a rolar na minha direcção; pensei mesmo que iria explodir à minha frente, tal a velocidade.

Essa bola porém transformou-se num monstro horrível, e este movimentava-se de um lado para o outro. No mesmo momento que este ser se movimentava de um lado para o outro, o calor aumentava ainda mais, sentindo que estava a cair cada vez mais profundo, perguntei a São Miguel Arcanjo:

- É esse o tormento eterno?

Aquele monstro de fogo respondeu primeiro

que São Miguel, dizendo:

«APRECIE.»

São Miguel Arcanjo nada respondeu.

Subitamente, eis que me deparo diante de um grande salão. As paredes são de rochas que crepitavam, estourando como fogo, queimando como se de lenha verde, e existiam várias cavernas como que de celas divididas. Nestas celas vi pórticos de fogo com símbolos Satânicos, e pude ver que estavam várias pessoas lá presas por grossas correntes, que de tal forma estavam incandescentes como brasas ardentes, de um vermelho vivo, havendo mesmo em alguns sobre as cinturas de cada um destes um cinto também de ferro, que lhes perfuravam os seus próprios corpos!

Fui tomado pelo Arcanjo e este guiou-me a um outro local aonde os gritos eram pavorosos, de tal forma que já não aguentava mais ver tantos e semelhantes sofrimentos. Mais adiante estavam outras cavernas donde saíam os gritos, gemidos e urros e tantas blasfémias contra o Santo Nome de Deus!

Numa primeira cela, pude ver que muitos corpos que mostravam todos os seus órgãos internos virados para fora; numa segunda cela, corpos perfurados por ganchos reluzentes nos quais custavam respirar, e ainda numa terceira cela, um monte de vermes hediondos e estranhos que devoravam aqueles corpos.

Dei para mim a pensar como aquelas criaturas conseguiam emitir estes berros de dor.

Numa quarta cela, vi sacerdotes sendo torturados cada um destes por 13 demónios que espetavam os seus corpos com vários tridentes, além de esfregarem brasas pelo corpo, estes dilaceravam e pareciam mastigar os seus miolos, matavam a sêde com o sangue deles, e percebi que não via os olhos destes Padres... porque estavam sem olhos.

Ainda numa quinta cela, olhei para algumas pessoas que se assemelhavam a Bispos, não eram no entanto muito definidos nos seus contornos, dado que de tal forma estavam muito decompostos e carbonizados pelas labaredas e brasas vivas... havia mesmo alguns corpos que eu não pude ver completamente, mas que uma estranha figura que entrava nas entranhas deles e saíam pelos orifícios de seus corpos!

Perguntei-me por estes mesmos se assemelharem a tal:

- São linhas?

Alguns instantes depois realizei que eram na verdade vermes infernais em formato de linhas; aquelas coisas eram vivas e se mexiam devastando cada milímetro daqueles corpos.

Passei ainda por ver uma sexta cela e pude ver um rio de lava que ardia um fogo que consumia as almas confusas que desciam dos vales escuros e que se atiravam desesperadas, fugindo do nada, aonde neste meio avistei muitos religiosos e religiosas.

Fui depois conduzido a outros túneis, sempre descendo e deparei-me diante de um grande precipício das grandes profundezas. Não desci no precipício; mas vi chamas tão altas que tocavam no tecto da caverna. Dessas enormes labaredas emergiam três figuras de demónios dos mais caídos da Graça de Deus.

Era como um mar de fogo:

via perfeitamente as almas que mergulhavam nas chamas,

caíam almas, como chuvas no campo.

81671241650301HellBackground.jpg

Comecei a descer o precipício, o meu corpo tremia de tal era o pavor de tão grande que eu vi nesta parte...

[Mais não narro aqui; não consigo contar o pavor que eu vi, pois assustaria muitas pessoas; eu fiquei petrificado e apavorado. Não posso sequer alguma vez mais reclamar dos meus sofrimentos, pois nada sofro em qualquer comparação do que eu vi desde o primeiro momento até quando saí.]

 


« A Eucaristia
Next page: Extras